Iluminação, acústica, disposição dos móveis, cores, organização espacial… o que tudo isso tem a ver com educação? O super bem-sucedido sistema educacional da Finlândia, por exemplo, possui o mantra: “uma arquitetura melhor contribui para uma melhor experiência escolar”. Nos últimos anos, o termo classroom design tem ganhado força apoiado por pesquisas que mostram o impacto significativo que o espaço de aula exerce sobre o progresso acadêmico das crianças.

Um estudo de 2015 publicado no site Building and Environment indicou que alguns elementos essenciais da arquitetura em sala de aula podem aumentar os resultados de aprendizado em até 16%. Fatores como a qualidade do ar, iluminação e a sensação dos alunos de serem “donos” do espaço afetou positivamente a habilidade de todos de aprender. Outro levantamento aponta que as salas de aula são mais convidativas e acolhedoras quando de 20% a 50% das paredes estão limpas e os espaços remanescentes são preenchidos com dicas de aprendizagem, cartazes inspiradores e projetos dos alunos.

Há poucas semanas, o Google for Education, plataforma educacional colaborativa do Google, publicou o relatório global Future of the Classroom, que analisa tendências, baseadas em pesquisas, para a educação em sala de aula para as faixas do Ensino Fundamental ao Médio. No total, são apresentadas oito tendências, sendo uma delas os espaços colaborativos.

Abertura, flexibilidade e colaboração

De acordo com o material do Google, escolas que combinam espaços abertos e diferenciados com modelos mais convencionais são apontadas como líderes para a inovação na aprendizagem.

O fato é que cada vez mais ganha força a ideia da sala de aula como o “terceiro professor”, atrás das famílias e dos educadores. E, por isso, as instituições de ensino concentram esforços em construir espaços educativos que encorajam a criatividade, colaboração e flexibilidade.

O formato tradicional de sala de aula, com os alunos em filas e o professor como figura central, isola as crianças e limita o seu aprendizado. Já os novos modelos são projetados tendo a colaboração e flexibilidade em mente. Mesas e cadeiras devem ser facilmente móveis a fim de acomodar diferentes cenários de aprendizado para grupos de diferentes tamanhos. Ao oferecer opções de assentos (puffs, estações de trabalho individuais, almofadas, sofás e até mesas e cadeiras), por exemplo, os educadores permitem que os alunos escolham onde sentar, dando a eles o poder de escolha e estabelecendo o sentido de comunidade ao ambiente de ensino. Os espaços flexíveis e colaborativos são responsáveis por aumentar em 30% o engajamento das crianças em sala de aula.

Quebra de paradigmas

Um sentimento comum com a qual os educadores precisam lidar ao investirem em novos formatos para as salas de aula é o receio das famílias. A maioria pertence a gerações que vivenciaram outras experiências e interações com a educação. Logo, imaginar seus filhos sentados ou deitados em puffs durante o processo de aprendizado desperta muitas dúvidas. No aspecto físico, basta um exercício de memória: o quanto era confortável permanecer por mais de uma hora na mesma posição? De acordo com a professora Ana Luiza Azevedo, a concentração tem muito mais relação com o interesse na atividade do que com onde estamos sentados. “O trabalho em grupo é proveitoso para as crianças, que ampliam a sua capacidade de comunicação, discussão, reflexão, levantamento de hipóteses e interação, habilidades tão importantes hoje em dia”, explica.

Ela lembra ainda que a maneira como nos relacionamos com o conhecimento mudou. “Nós, professores, precisamos admitir que não sabemos tudo e não temos todas as respostas. Nossos alunos aparecem com demandas que não tinham antes e, quando nos perguntamos de onde vem tudo isso, chegamos à conclusão que é o conhecimento. Hoje, temos um acesso ao conhecimento e informação que não tínhamos antes. Qualquer dúvida é tirada em questão de segundos com uma simples pesquisa em um celular”, conclui.

Dessa forma, um modelo de educação em que o professor fica na frente da sala, anotando na lousa e os alunos copiando faz cada vez menos sentido. A inovação é entendida como a aplicação de melhores soluções que atendam aos novos requisitos. Uma vez que a educação tem novos requisitos, pois os alunos têm novos interesses e possibilidades, precisamos pensar em novos modelos que se refletem em espaços com mobilidade, flexíveis e colaborativos.

 

Michella Renan dos Santos

Coordenadora de Comunicação e Marketing da Builders Educação Bilíngue.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *