O que é mindfulness e o que ele tem a ver com as crianças?

Em fevereiro deste ano, o governo britânico anunciou a implementação de um amplo estudo sobre o bem-estar de estudantes a partir da prática do mindfulness, que passa a integrar o currículo de pelo menos 370 instituições de ensino. O objetivo desta iniciativa é reduzir os níveis de estresse e ajudar crianças e adolescentes a lidar com sentimentos e desafios. Continuar lendo “O que é mindfulness e o que ele tem a ver com as crianças?”

A criança, a primavera e a percepção do tempo

Com a chegada da primavera o entorno se colore e se perfuma com as flores. Os pássaros cantam preenchendo o dia com sua melodia. E as crianças saltitam com alegria a brincar nos dias agradáveis de primavera. Todos sentem a chegada da primavera com alegria depois do inverno que tipicamente tem clima que traz maior recolhimento. Continuar lendo “A criança, a primavera e a percepção do tempo”

Educação Socioemocional

Habilidade socioemocinal é um termo relativamente novo, mas que se torna cada vez mais frequente quando pensamos sobre educação. O que ele quer dizer? Educação sociemocional é a promoção e incentivo do desenvolvimento da capacidade de utilizar habilidades que permitam aos alunos (ou qualquer outra pessoa) integrar conhecimentos, atitudes e comportamentos para resolução de problemas.

Continuar lendo “Educação Socioemocional”

A Ludicidade no Processo de Alfabetização e Letramento

A alfabetização é um aprendizado de suma importância para o ser humano, pois consiste na instrução e no apoderamento do alfabeto e de sua utilização como código de comunicação. A prática deste ensino se dá regularmente na educação infantil. Já se tratando de um cenário bilíngue, a alfabetização e o letramento ocorrem em dois idiomas e de forma simultânea. Continuar lendo “A Ludicidade no Processo de Alfabetização e Letramento”

Uso da tecnologia em sala de aula: um desafio promissor.

É certo que os alunos do século XXI não são os mesmos do século passado. E há tempos que se discute a ideia de como desenvolver nos alunos o interesse pela aprendizagem na era em que têm acesso a todo tipo de informação, a qualquer momento e em qualquer lugar. Continuar lendo “Uso da tecnologia em sala de aula: um desafio promissor.”

Educação Infantil, pra que te quero?

Quantas vezes, ao dizermos que colocaremos nosso pequeno de 1 ano na escola, ouvimos os seguintes questionamentos: Por quê? É mesmo necessário? Quais os benefícios que trará? Aí vem aquela dúvida, será que estamos tomando a decisão certa? Não seria melhor esperar até que crescesse um pouco mais? Por que tirá-lo do conforto de sua casa se ainda é tão pequeno? Pois convido a todos para, juntos, fazermos uma reflexão sobre o assunto.

Antigamente o papel de educar as crianças era restrito às famílias e às pessoas próximas. Era delas a responsabilidade de, além de cuidar, preparar seus filhos para fazerem parte de um mundo repleto de desafios. Com o passar dos anos e, de acordo com as novas exigências das sociedades, educar deixou de ser apenas uma transmissão de cultura, que passava de geração para geração e passou a ser uma exigência na formação de futuros adultos competentes, capazes de agir e transformar.Mas será que nós, pais e mães, estamos preparados para oferecer experiências desafiadoras e aprendizagens adequadas a cada faixa etária?

Estudos realizados ao longo de séculos comprovam que, a construção da própria identidade bem como o aprimoramento das capacidades de cada criança não se dá de forma espontânea.Educar, social e cognitivamente, significa oferecer situações pedagógicas orientadas que visam valorizar e ajudar no desenvolvimento de suas habilidades.Quando um professor propõe um jogo de boliche ou um jogo de percurso, muitos assuntos e áreas do conhecimento são envolvidos. Desde uma simples contagem, passando pelo estímulo motor, chegando a discussões de regras e normas, respeito ao próximo e companheirismo. Os profissionais de educação, preparados durante anos, possuem um olhar diferenciado, capaz de identificar as necessidades e os anseios de cada grupo.

Na prática, podemos diferenciar claramente uma criança que pôde vivenciar a rotina escolar desde os primeiros anos, daquelas que não tiveram esta oportunidade. Na Global Me, em particular, onde temos a língua inglesa como grande aliada, os estímulos do raciocínio lógico matemático, linguístico, motor e social, têm feito adiferença na vida destes pequenos.

Não podemos deixar de citar a importância da interação entre as crianças, pois é nesta convivência diária, em suas brincadeiras dirigidas ou não pelo professor, que os conhecimentos também são construídos e reconstruídos. São trocas de diferentes vivências familiares, de culturas oriundas de distintas realidades que enriquecem e ajudam a formar o indivíduo.

Esta é uma discussão que certamente não se encerra aqui, pois é por meio da constante avaliação de nossas práticas de ensino que teremos uma educação de qualidade.

Equipe Global Me

O Período de Adaptação

adapadaptação

Na adaptação escolar ocorre uma separação bastante importante e significativa entre pais e filhos. É neste momento que a criança começa a ter uma vida social independente da rotina familiar e, portanto, é um momento de muitos cuidados.

A adaptação é dividida em fases:

  • Primeiro a criança conhece a escola e passa a gostar daquele lugar;

  • Depois, se vincula a outra pessoa (professora, assistente ou babá);

  • Por último, passa-se a sentir completamente segura no ambiente escolar e despede-se dos pais ou de quem quer que esteja acompanhada com facilidade.

A seguir algumas informações relevantes para o processo de adaptação:

1 – A decisão de colocar o seu filho na escola deve resultar de atitude pensada, consciente e principalmente segura.

2 – A separação, apesar de necessária, é um processo doloroso tanto para a criança quanto para a mãe, mas é superado em pouco tempo.

3 – Por ser um momento de transição, evite mudanças na rotina da criança como desfralde, retirada da chupeta e de objetos pelos quais a criança tenha muito apego.

4 – O choro na separação é frequente e nem sempre significa que a criança não queira ficar na escola.

5 – Evite comentários sobre a adaptação da criança em sua presença.

6 – Cabe aos pais entregar a criança ao educador, colocando-a no chão e incentivando-a a ficar na escola. Não é recomendável deixar o educador com o encargo de retirar a criança do colo dos pais.

7 – Nunca saia escondido de seu filho. Despeça-se naturalmente. Uma despedida é suficiente. A insistência na despedida longa dificulta o processo de adaptação. Portanto, não devemos prolongar esse momento além do necessário.

8 – A sala de atividades é um espaço que deve ser respeitado e, a presença dos pais, além de dificultar a compreensão da separação, fará as outras crianças também queiram a presença de suas mães.

9 – Incentive a criança a procurar a ajuda do seu professor quando necessitar algo para que crie laço afetivo com ele.

10 – Lembre-se que o professor atende às crianças em grupo, procurando distribuir sua atenção igualmente, promovendo junto com a mãe a integração da criança.

11 – O período de adaptação varia de criança para criança, é único e deve ser avaliado individualmente.

12 – Cuidado com a aparente adaptação. Os pais devem respeitar o período estabelecido pela escola.

Denize E. Kindro Andreoli, Coordenadora Pedagógica da Educação Infantil – Green Book School

 

A escola e sua atuação multidisciplinar: um olhar que se abre, do currículo à equipe

Left-or-Right-Brain-Marketer
O papel da escola de educação infantil ganhou grande importância na sociedade atual, em que as famílias contam cada vez mais com a escola como parceira na criação e educação dos filhos.

Ao atuar com crianças em idades cada vez mais precoces a escola deve oferecer uma formação completa e que atenda às necessidades da criança e família neste momento de formação de hábitos, construção de conhecimento, formação de caráter e personalidade.

Desta forma torna-se essencial estabelecer um currículo. Currículo este que deve ser abrangente o suficiente para proporcionar vivências diversas para que a criança possa desvendar o universo ao seu redor, conhecer o ambiente cultural no qual está inserida, encontrar e superar suas dificuldades, identificar suas habilidades e potencialidades e também construir preferências.

As vivências previstas no currículo da educação infantil hoje devem ir além de “ensinar o BeAbá” ou de oferecer os cuidados da creche.

É missão da escola atual na primeira etapa do ensino básico oferecer vivências artísticas que despertem o senso estético, estimular o movimento como forma de construção da motricidade e de expressão, proporcionar contato com a natureza e despertar a curiosidade para o ambiente social ao seu redor, estimular o desenvolvimento da linguagem oral e escrita como forma de comunicação, promover situações que auxiliem a criança a desenvolver o raciocínio logico-matemático.

Além destes aspectos curriculares, outros pontos devem ser acompanhados durante o desenvolvimento na primeira infância, como o desenvolvimento físico, emocional, da fala e social. Pois o conjunto de todos os aspectos que irá constituir a criança como um indivíduo e como ser social.

Olhando desta forma fica evidente que a formação das educadoras deve ser abrangente porēm não é profunda em todas essas áreas a ponto de abarcarem sozinhas este olhar tão amplo e ao mesmo tempo aprofundado para cada aspecto do desenvolvimento infantil. Faz-se necessário construir um novo conceito de escola e equipe neste contexto: uma equipe multidisciplinar com olhares diversos que se conversam.

É neste contexto que a equipe escolar se amplia e deve contar com psicólogos, fonoaudiólogos, nutricionistas, psicomotricistas, pedagogos e outros profissionais que a escola julgue adequado pertencer à equipe. Esta acompanhará o desenvolvimento da criança na primeira infância, uma equipe completa e complexa que dialoga entre si e principalmente com a família.

O aluno desta forma não trilha este caminho sozinho, mas junto com sua família, seu professor e uma gama de outros profissionais que nos devidos momentos lhe prestarão auxílio no seu processo de crescimento e desenvolvimento.
Cabe agora ao pais expandirem seu olhar para tratar a escola de educação infantil como uma instituição formadora de suma importância, e que deve oferecer mais do que os cuidados e ensinar as primeiras letrinhas. Que irá, acima de qualquer conteúdo ensinado, auxiliar as crianças na jornada de se constituírem como INDIVÍDUOS.

Marina Freitas, Diretora Pedagógica My School